Agora é oficial: o meu filho mais velho está na FATEC

by agnaldo 17. janeiro 2011 00:05

Como disse no post http://50minutos.com.br/blog/post/O-meu-filho-mais-velho-entrou-na-FATEC.aspx, calculávamos que ele tiraria 77 pontos e que isso lhe daria ingresso à FATEC. Pois bem... ele não foi lá essas coisas na redação e ficou com 73 pontos. Isso lhe deu o 18° lugar no curso que ele escolheu. E acertei quando disse que a nota de corte seria 68 pontos. Amanhã é a matrícula.

A gente conversa de novo daqui a três anos.

Sucesso a todos os que passaram.



Cada país tem o aluno que merece

by agnaldo 12. janeiro 2011 16:16

Amigos, recebi um e-mail com o texto que reproduzo abaixo (os grifos são meus). É muito interessante e acredito que todos devam lê-lo até o fim.

Abração a todos.

J’ACUSE !!!
(Eu acuso !)

(Tributo ao professor Kássio Vinícius Castro Gomes)

Mon devoir est de parler, je ne veux pas être complice.
(Émile Zola)
Meu dever é falar, não quero ser cúmplice. (...)
(Émile Zola)

Foi uma tragédia fartamente anunciada. Em milhares de casos, desrespeito. Em outros tantos, escárnio. Em Belo Horizonte, um estudante processa a escola e o professor que lhe deu notas baixas, alegando que teve danos morais ao ter que virar noites estudando para a prova subsequente. (Notem bem: o alegado “dano moral” do estudante foi ter que... estudar!).

A coisa não fica apenas por aí. Pelo Brasil afora, ameaças constantes. Ainda neste ano, uma professora brutalmente espancada por um aluno. O ápice desta escalada macabra não poderia ser outro.

O professor Kássio Vinícius Castro Gomes pagou com sua vida, com seu futuro, com o futuro de sua esposa e filhas, com as lágrimas eternas de sua mãe, pela irresponsabilidade que há muito vem tomando conta dos ambientes escolares.

Há uma lógica perversa por trás dessa asquerosa escalada. A promoção do desrespeito aos valores, ao bom senso, às regras de bem viver e à autoridade foi elevada a método de ensino e imperativo de convivência supostamente democrática.

No início, foi o maio de 68, em Paris: gritava-se nas ruas que “era proibido proibir”. Depois, a geração do “não bate, que traumatiza”. A coisa continuou: “Não reprove, que atrapalha”. Não dê provas difíceis, pois “temos que respeitar o perfil dos nossos alunos”. Aliás, “prova não prova nada”. Deixe o aluno “construir seu conhecimento”. Não vamos avaliar o aluno. Pensando bem, “é o aluno que vai avaliar o professor”. Afinal de contas, ele está pagando...

E como a estupidez humana não tem limite, Leia mais...



Feliz Ano Novo - coisa rápida

by agnaldo 4. janeiro 2011 12:30

Estamos em 2011.

E, nesse ano, o que muda? Tudo. Todos. Nada. Ninguém...

Em 2010 todos nós tivemos bons e maus momentos. Alcançamos algumas metas e deixamos escapar outras tantas. Rezamos (ou não) em momentos de desespero ou em agradecimento. Ou seja, somos pessoas diferentes e fazemos coisas diferentes.

Essa é a essência da humanidade: Qualidades e defeitos, juntos. Imagino que um defeito exista para reforçar uma qualidade também existente (ou seria o contrário? sei lá!!!).

Enfim, o que quero dizer é: Feliz ano novo a todos, quer sejam verdes, azuis, amarelos ou vermelhos; sejam novos, ou velhos; sejam brasileiros, ou não; sejam homens, ou mulheres; sejam belos, ou não; sejam ricos, ou não; e, finalmente, sejam paulistanos ou não.

Té+

Em fevereiro voltarei a escrever os posts. Aguardem.

OBS.: EM 2010 consegui a guarda dos meus moleques, conheci muita gente boa, criamos o centro de treinamentos 50minutos e ganhamos algum dim-dim (necessário). Se 2011 continuar assim, tá beleza!!!



Agnaldo

foto

Veja meu perfil em http://about.me/agnaldo

Month List